Um segmento que vem sendo explorado pelo e-commerce nos últimos tempos e que ainda tem muito para avançar é a venda de alimentos na internet. O consumidor que busca por esse tipo mercado gosta de optar por mais comodidade, praticidade e de poupar tempo.

A tendência é que o varejo alimentar cresça ainda mais nos próximos anos, muito embora ainda corresponde a uma parcela pouco expressiva do faturamento do setor. A empresa de consultoria PwC realizou uma pesquisa recente sobre o assunto. Ela revelou que 24% dos consumidores entrevistados no Brasil têm muita probabilidade em adquirir produtos alimentícios pela internet nos próximos meses.

Compras de alimentos pela internet
Compras de alimentos pela internet

Outros 34% dos shoppers também responderam que provavelmente vão comprar alimentos online. Uma estimativa que está acima da média global da pesquisa (27%). Apenas 10% informaram que não têm interesse em comprar os produtos do segmento virtualmente.

Tanto no Brasil, quanto no mundo, a venda online de alimentos é um nicho de mercado em real expansão. A nação brasileira está no Top 10 do ranking do estudo entre as maiores intenções de compras para o comércio eletrônicos de alimentos.

A China lidera a pesquisa com 59% da intenção de compras dos japoneses. Em seguida aparecem o Vietnã, Tailândia, Reino Unido, Japão, Oriente, Cingapura e o Brasil na oitava colocação.

Outros itens

O Brasil também tem grande potencial para compras de produtos básicos pela internet como detergente, fraldas, entre outros. O levantamento mostrou que 27% dos consumidores já compram esses itens dessa forma. Já 45% têm interesse nessa experiência.

Dos que já compram, 78% responderam que efetuam as compras no site do varejista e 22% direto no site do fabricante.

Apesar de esses produtos virem ganhando espaço no e-commerce brasileiro, ainda há muitos desafios para serem sanados. Em relação à experiência de compra, já que ela muitas vezes esbarra nos atrasos de entrega e preço do frete.

No Brasil, o rastreamento das etapas da entrega e a entrega feita no mesmo dia são as prioridades dos consumidores ao optar por comprar de determinado varejista. É interessante que o varejista tenha os processos de logísticas bem esquematizados, além de produtos estocados em quantidade suficiente para atender a demanda, para evitar problemas futuros.

Conteúdo Relacionado

pascoa-2022
Varejo Alimentar

Caixas de bombons e ovos artesanais devem puxar vendas na Páscoa 2023

23.março

Um estudo da plataforma de dados do varejo Scanntech aponta que caixas de bombom devem puxar mais uma vez as vendas na Páscoa 2023. O levantamento mostra que o produto foi responsável por 34% do crescimento de chocolates registrado em 2022, quando o comércio de ovos de Páscoa caiu 18% em relação a 2021. O […]

marcas-proprias-supermercado
Varejo Alimentar

Marcas próprias do varejo conquistam cada vez mais espaço entre consumidores

10.março

Conforme a empresa de pesquisa de mercado NielsenIQ, um em cada três lares brasileiros possuem produtos de marcas próprias de varejistas e atacadistas. Apenas no primeiro quadrimestre do ano passado, os consumidores investiram quase 8% a mais nesse segmento do que no mesmo período de 2021. A Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização (ABMAPRO) […]

pascoa-2023
Varejo Alimentar

Antecipação de vendas e versões mais saudáveis são apostas para a Páscoa 2023

24.fevereiro

A Páscoa 2023 cai no dia 9 de abril, mas, antes mesmo do Carnaval começar, supermercados de todo país já tinham iniciado o abastecimento de prateleiras com os tradicionais ovos de chocolate. Para driblar o menor poder de compra do brasileiro, o varejo encontrou na antecipação das vendas uma importante estratégia para alavancar o consumo […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *