Um balanço apresentado pelo Instituto Pet Brasil (IPB) mostrou que houve alta de 4,6% nas vendas de produtos voltados ao segmento pet em 2018. O faturamento foi de R$ 34,4 bilhões ante R$ 32,9 bilhões movimentados no ano anterior.

A participação do setor representa 0,36% do PIB brasileiro e sagra o País como o segundo principal mercado pet do planeta, com 5,2% à frente de países como o Reino Unido e Alemanha. Os resultados são vistos com bastante otimismo pelo setor, que continua dando sinais de crescimento para 2019.

A entidade também divulgou no último mês um panorama sobre a população pet no território nacional, que é de cerca de 139,3 milhões de animais. Desse contingente, 54,2 milhões são cães, 39,8 milhões aves, 23,9 milhões gatos, 19,1 milhões peixes e 2,3 milhões são répteis e pequenos mamíferos.

O estudo destacou o crescimento de casas que passaram a acolher gatos como animal de estimação. No acumulado, esse foi o animal que mais cresceu, com alta de 8,1% desde 2013. Em seguida, os pets que acumularam maior crescimento nos lares brasileiros foram os peixes com 6,1%. Répteis e pequenos mamíferos registraram alta de 5,7%; aves, 5% e cães, crescimento de 3,8% em sua população. A média geral é de 5,2%.

 

Censo Pet

Conforme os dados divulgados pelo IPB, o estudo confirma a tendência de que cada vez mais as famílias buscam um animal de estimação para companhia, dar e receber afeto e atenção.

“No entanto, com o maior número de pessoas morando sozinhas, e em espaços menores, é patente o crescimento por animais cujo cuidado no dia a dia seja mais simples, ou que pelo menos exijam menos espaço. Por isso esse crescimento dos felinos, principalmente em cidades maiores”, destacou o instituto.

A região Sudeste é a que mais deteve maior número de animais de estimação com concentração de 47,4% no ano passado. A região Nordeste aparece em segundo com 21,4% e, em seguida, Sul (17,6%), Centro-Oeste (7,2%) e Norte (6,3%).

A densidade populacional é um dos principais fatores para aferir a população pet. O censo apontou ainda que ¼ dos pets estão no estado de São Paulo, cerca de 10,1% em Minas Gerais e 8,8% no Rio de Janeiro.

 

Dicas de leitura:

Mercados de bairro são os preferidos pelos consumidores

Automação no varejo facilita processos e aumenta competitividade

Conteúdo Relacionado

Agroveterinário

Venda mais focando na campanha contra a febre aftosa

19.fevereiro

As etapas nacionais da campanha de vacinação de combate à febre aftosa começam nos próximos meses em diversas regiões brasileiras. No ano passado, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou que só no primeiro momento da campanha houve a cobertura vacinal de 98,33% do rebanho brasileiro.

Vai com Tudo
Agroveterinário

Período para imunização do rebanho contra a febre aftosa aquece vendas de produtos agroveterinários

09.outubro

A  imunização animal contra a febre aftosa continua a partir do próximo mês em várias regiões do país. Preocupados com a saúde do rebanho, muitos aproveitam o momento de vacinação para complementar os cuidados com outros itens do segmento.

materia pet
Agroveterinário

Mercado Pet cresce quase 5% em 2017 em comparação com o ano anterior

25.maio

O mercado pet, que engloba os segmentos de Pet Food (alimentos para animais de estimação), Pet Vet (produtos veterinários), Pet Care (equipamentos, acessórios, produtos de higiene e beleza animal) e Pet Serv (serviços), vem crescendo a cada ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *