Traçar o paralelo entre lojas/compras online e físicas já não é um método tão funcional mais para o mercado. Ainda mais que os dois segmentos podem se complementar.  Ambos vêm demonstrando crescimento segundo os indicadores econômicos e pesquisas do setor. 

Os dados mais recentes apresentados pela PwC mostram uma reação expressiva no consumo no varejo físico e um crescimento notável no e-commerce brasileiro.

O estudo “Global Consumer Insights 2018” demonstra a primeira reação. Desde 2013, 61% dos entrevistados informavam que realizavam as compras presencialmente. A modalidade foi utilizada por 55% dos consumidores no ano passado.

Esse crescimento do consumo pode ser explicado pela mudança no perfil das lojas brasileiras que passaram a focar mais na experiência do consumidor. 64% dos entrevistados disseram estar satisfeitos com a capacidade de percorrer os corredores de lojas de forma rápida e conveniente. 62% afirmam encontrar vendedores com nível profundo de conhecimento e 61% sentem-se satisfeitos com logins rápidos no Wi-Fi das lojas físicas.

O ambiente acolhedor também é responsável por grande parte do grau de satisfação (57%). Confira na imagem abaixo os principais itens avaliados no levantamento.

Comportamento de compra
Comportamento de compra

 

Varejo Online

A frequência de compras online, por sua vez, também apresenta aumento entre os consumidores do país. De 2014 para 2018, o número de pessoas que compram online ao menos uma vez por mês saltou de 58% para 65%. Além disso, ¼ dos consumidores compram virtualmente pelo menos uma vez na semana.

O varejo online tem feito cada vez mais parte da vida do consumidor por oferecer maior alcance e disponibilidade uma vez que, ao contrário da loja física, os produtos comercializados por meio do e-commerce estão à disposição 24 horas por dia.

A integração da loja física e virtual se tornou uma tendência mundial.  Ela possibilita ao consumidor a compra de forma mais prática e conveniente. Além disso, com o surgimento do omnishopper – consumidor que compra tanto na loja física e como no comércio eletrônico –, satisfazer esse perfil passa ser prioridade a curto e médio prazo. Por isso, ampliar os canais de venda pode estreitar bastante o caminho para alcançar a satisfação do cliente.

 

Conteúdo Relacionado

Varejo Alimentar

Varejistas estão confiantes com as vendas para o verão 2019

17.dezembro

A Pesquisa Verão 2019, da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), aponta que os supermercadistas brasileiros projetam vendas estáveis para a estação mais quente do ano. Segundo os dados, divulgados na sexta-feira (07), 48% dos empresários apostam em vendas no mesmo patamar do último verão.

cesta-básica-
Varejo Alimentar

Alimentos e bebidas impulsionam alta da inflação em outubro

28.novembro

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), registrou inflação de 0,45% em outubro. Este é o maior índice registrado no mês pelo indicador do IBGE desde 2015. A variação foi impulsionada principalmente pelo segmento de alimentos e bebidas, além dos transportes.

Varejo Alimentar

Setor supermercadista estima alta de 10,27% nas vendas para o final do ano

14.novembro

Os supermercadistas estão bastante otimistas com as festas de fim de ano que poderão contribuir para um aumento de 10,27% nas vendas nominais. O saldo foi apontado na pesquisa da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) realizada entre setembro e o outubro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *