A grande peça-chave do mercado está no uso das novas tecnologias, para perceber isso basta fazer um compilado das principais notícias veiculadas sobre o varejo nas últimas semanas. Chegamos em um patamar onde não dá para ignorar que os avanços das plataformas digitais estão diretamente ligados aos resultados positivos do mercado varejista.

Utilizar a tecnologia para otimizar os processos na loja, estreitar relacionamentos com fornecedores e consumidores e minimizar os prejuízos se tornou essencial para a saúde financeira de qualquer negócio.

Por falar nisso, uma das grandes tendências no varejo será a utilização de assistentes virtuais para compras por meio de comando de voz. Esses assistentes ainda não são vendidos no Brasil, mas fora já vem ganhando muitos adeptos. Só a Amazon vendeu mais de 100 milhões de dispositivos com a chamada Alexa e muitos brasileiros aproveitaram para testar o produto.

A tecnologia também já está presente em dispositivos móveis como smartphones e tablets e é responsável por desempenhar funções como tocar músicas, enviar mensagens, fazer buscas na internet, entre outras.

Essa realidade também já começou a ser inserida nas grandes redes. A Walmart, por exemplo, já firmou parcerias com o Google e os consumidores já podem realizar as compras pelo Google Assistente. Basta listar em voz alta os produtos desejados e efetuar a compra online ou pedindo para retirar em alguma das lojas da rede.

 

 

Mobile Learning para o varejo

Traduzido para o português, a denominação de “Mobile Learning” nada mais é do que aprendizagem móvel a partir da integração de tecnologias/dispositivos móveis. Só que esse conceito ultrapassou as barreiras da rede de ensino e já passa a ser aplicado em outros segmentos como no varejo.

Para se ter uma ideia, a importadora Chanalmport, ligada ao Grupo Herval e uma das dez maiores varejistas do Brasil, registrou um aumento de 20% nas vendas depois que passou a usar um app de mlearning nas rotinas.

A empresa fornece acessórios para as lojas oficiais da Apple no País e tinha a dificuldade de manter consultores de vendas atualizados em relação às tecnologias dos itens. Com isso, foi criado o aplicativo para estreitar a comunicação e os treinamentos que a empresa oferece. O que deu certo!

 

“E-comercializando”

Estar presente no comércio eletrônico nunca foi tão necessário diante a um cenário onde o consumidor busca preço e praticidade. Seguindo a tendência mundial, a Le Biscuit – que conta com 124 lojas no Brasil – vai estrear no próximo mês no e-commerce.

Inicialmente será inaugurado um espaço para lista de casamento, depois vendas com retirada em loja e, por fim, entrega direto na casa do consumidor. O processo deverá ser finalizado até o ano que vem.

 

Black Friday brasileira?

Por falar em e-commerce, a principal data para o mercado ocorre em novembro em diversas partes do mundo e já afeta diretamente as lojas físicas. Muitos veículos de imprensa passaram a noticiar entre final de julho e início de agosto os rumores de que o comércio e o governo federal flertavam uma nova data para lançar a “Black Friday brasileira”. O período promocional ocorreria entre os dias 6 e 15 de setembro, na semana em que se celebra a Independência do Brasil.

O Valor Econômico ainda revelou que estava em discussão uma proposta para reduzir ou isentar a cobrança do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de eletrônicos e eletrodomésticos vendidos durante o período nacional, a fim de dar ainda maior fôlego às vendas.

 

Vendas no cartão

O Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), aferido em 1,4 milhão de pontos de vendas ativos credenciados no país, mostrou aumento nas vendas no varejo brasileiro de 4,6% em julho em relação ao mesmo período do ano passado. O índice de crescimento foi de 7,6% em termos nominais.

Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o ICVA teve alta de 7,6%. Segundo o diretor de Inteligência da Cielo, Gabriel Mariotto, um dos pontos positivos foi que o consumidor se deparou com a queda dos preços nos últimos dois meses e isso acabou facilitando um leve impulsionamento nas vendas.

 

Sugestões de Leitura:

Lojistas têm dificuldades em contratar crédito no Brasil, diz pesquisa.
E-commerce: consumidores de produtos farma preferem comprar direto na loja
De olho no mercado: o crescimento para PCs e impressoras

Conteúdo Relacionado

samsung-768×543
Patrocinada

Venda smartphones em qualquer segmento

31.julho

No ano passado, os brasileiros passaram mais de três horas por dia usando o celular. Segundo dado do relatório Estado de Serviços Móveis, essa média colocou o país em 5º lugar no ranking global de tempo de uso com esse aparelho. O interesse do consumidor por smartphones segue crescente e abrindo novas frentes, como a […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *