Entre os novos hábitos dos brasileiros durante a pandemia da Covid-19 está a realização de compras virtuais. Com as restrições sanitárias e o medo do contágio, as vendas online se destacaram e o número de consumidores que passaram a usar plataformas digitais de supermercados aumentou 57%.

Os dados são conforme pesquisa realizada pelo portal UOL. Entre as razões estão a praticidade de realizar compras sem sair de casa e não correr o risco de contrair a doença. E caiu tanto no hábito dos consumidores que, de acordo com a pesquisa, 59% deverão continuar utilizando a internet para compras em mercados.

A pesquisa aponta ainda que entre os produtos mais comprados via internet estão os alimentos não-perecíveis, com 38%. Em seguida, com 37%, os produtos de higiene e cuidados pessoais, 31% produtos de limpeza e 26% alimentos perecíveis.

Desafios do setor e vendas online

A edição 537 da revista Superhiper, produzida pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), traz uma matéria que fala dos desafios do setor supermercadista nesta pandemia. Além disso, como o e-commerce ajudou no faturamento em tempos de restrições sanitárias.

Entre os dados apresentados está a alta de 17,74% nas vendas online, comparando os meses de abril de 2021 e 2020. Em relação ao faturamento, a porcentagem é ainda maior, 40,68%.

Mas o que isso significa para as empresas? Que devem estar preparadas para esse modelo de negócio, que segue firme. As vendas online são realidade e melhor ainda quando a atividade conta com um bom serviço de entrega, seja por meio de aplicativos ou próprio da loja.

É importante que se crie experiências positivas para o consumidor, pois ele sabe que a vantagem da loja física é poder ter contato com os produtos que deseja comprar. Oferecer descontos e vantagens como preço diferenciado para quem faz parte do seu programa de fidelidade ou entrega grátis.

Um dos pontos a ser observado é o investimento em canal de vendas online, além do planejamento na logística de distribuição, pois quem compra quer receber rápido. E ter cliente fiel em momentos de crescimento do setor pode um diferencial que o manterá no mercado.

Gostou desse conteúdo? Se inscreva na nossa newsletter e receba conteúdos como este gratuitamente e em primeira mão!

Leia também:

Comprar e comunicar, as vantagens do Whatsapp nos negócios
Top of Mind: Martins é o 2° do Brasil em materiais de construção

Conteúdo Relacionado

loja-fisica-varejo
Varejo Alimentar

Loja física segue na preferência do consumidor

14.janeiro

É visível que o varejo online se despontou durante a pandemia. E conquistou novos públicos que adiavam esse contato direto com a tecnologia e com a modalidade de compra. Acontece que o consumidor não abriu mão da loja física, que continua caindo na preferência de mais da metade dos brasileiros. O levantamento Consumer Insights, feito […]

varejo
Varejo Alimentar

Varejo: como direcionar as estratégias para a reta final do ano

15.dezembro

É normal que você, do varejo, ainda esteja fazendo as contas para saber como as finanças da loja fecharão neste ano atípico de crise causada pela pandemia. Ao mesmo tempo que já começa a ficar aflito desde já pelas incertezas do ano que está por vir. Ter um ponto de partida é a primeira coisa […]

Varejo Alimentar

Cuidados pessoais: principais tendências no consumo

30.outubro

A Euromonitor International, em pesquisa de mercado divulgada neste ano, mostrou que o Brasil é o quarto maior país no mercado de beleza e cuidados pessoais do mundo, o que inclui no segmento cosméticos, perfumaria e produtos de higiene. Nós só perdemos para os Estados Unidos, China e Japão. O atual cenário vem impulsionando ainda […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *