O novo comportamento do consumidor em plena pandemia alterou completamente a forma como o varejo vinha lidando com o público. Essas mudanças também passaram a forçar o varejista a remodelar, mais uma vez, o próprio negócio. Mas há algo que precisa ser revisto e incluído neste novo plano de estratégias: o sortimento do mix.

É nesse ponto que, muitas vezes, o lojista vai conseguir se diferenciar no mercado já que o consumidor tem diminuído as idas ao ponto de venda. De acordo com um estudo realizado pela Nielsen, ainda no início da pandemia, muitos consumidores passaram a evitar as lojas físicas e acabaram focando no e-commerce como medida de segurança contra a Covid-19.

O consumidor também está ficando por menor tempo dentro dos estabelecimentos. E o que fazer para prender a atenção dele pelo tempo necessário para comprar? Ficando atento ao sortimento do mix.

Sortimento do mix x novos hábitos

Se por um lado os consumidores estão mais cautelosos. Por outro ganham destaque os produtos voltados para abastecimento de emergência e suprimentos de saúde.

O mesmo levantamento da Nielsen mostrou o crescente interesse por produtos voltados à saúde e ao bem-estar. Essencialmente aqueles que ajudam a minimizar os riscos de contágio, como o álcool em gel e produtos de limpeza e higiene antibactericidas em geral, como o lenço umedecido com álcool etílico 70°.

Os itens alimentícios também passaram a se destacar já que, com mais tempo em casa, foi preciso repor com maior frequência os produtos da despensa.

A preocupação com a alimentação saudável também é maior. Destaque para as categorias de alimentos frescos, que tiveram aumento considerável nas vendas, bem como os produtos menos calóricos, etc.

Produtos de indulgência

O mercado também observa uma maior procura pelos chamados produtos de indulgência, aqueles que não são vistos como essenciais na cesta de alimentos do consumidor.

Produtos como chocolates, snacks, milho de pipoca, doces, sorvetes, cerveja e refrigerante passaram a receber maior atenção do shopper durante as compras. As categorias de chocolates e sorvetes, por sua vez, lideram o aumento do consumo nos lares brasileiros, conforme estudo feito pela Horus Inteligência de Mercado.

Por isso, é de extrema importância que o varejo repense a organização na loja. O objetivo é ajudar o cliente a encontrar o que procura de maneira rápida – já que ele tem ficado pouco tempo no ponto de venda – e oferte as categorias que ele mais tem procurado durante esse período.

Navegue mais no Portal Vitrine do Varejo e fique por dentro dos principais assuntos do mercado. Aproveite para fazer o seu cadastro na nossa newsletter para receber conteúdos como este gratuitamente!

Leia também:

NRF 2021: o que esperar de 2021 para o varejo
Baixe de graça o calendário sazonal e se prepare para as datas mais importantes do ano

Conteúdo Relacionado

varejo alimentar
Varejo Alimentar

Varejo alimentar se sobressai em meio à crise

11.agosto

Se por um lado a pandemia da Covid-19 congelou os gastos e impactou negativamente nas finanças de vários setores econômicos do País. Por outro lado foi um divisor de águas para as áreas essenciais como varejo alimentar e farma. Em meio à série de restrições, os estabelecimentos passaram a se reinventar e aproveitar o momento […]

varejo-alimentar-2020
Varejo Alimentar

Varejo alimentar comemora alta de olho nas tendências de 2021

17.fevereiro

O setor supermercadista é só alegria! Como esperado, o ano de 2020 foi favorável para o segmento que se encaixa nos serviços essenciais para a sobrevivência humana e, por isso, não foi afetado pelas restrições geradas pela pandemia. O varejo alimentar fechou o ano com crescimento de 9,36% nas vendas. A estatística é da Associação […]

chocolate-no-supermercado
Varejo Alimentar

Aposte no mercado de chocolate e garanta vendas

05.fevereiro

O chocolate é um dos produtos mais consumidos no mundo. No Brasil, esteve presente em 73% dos lares brasileiros em 2020. É o que aponta uma pesquisa do Instituto Kantar, líder global em dados, insights e consultoria, encomendada pela Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab). Os dados analisados são do primeiro […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *