O ano de 2022 tem sido um laboratório para o varejo explorar novas estratégias de venda. Com a economia caminhando em ritmo mais lento, buscar novas formas de tornar produtos e serviços mais atraentes ao consumidor, que está com o poder de compra reduzido, é primordial para a sobrevivência nos negócios. É o caso dos panetones.

Uma das maiores estrelas do varejo alimentício no Natal, o panetone está diferente nas gôndolas. As tradicionais embalagens de 500 gramas deram lugar a versões menores, de 400 g, 300 g e até frações do produto. Esse é um dos recursos usados pelo mercado para driblar a alta dos preços.

De acordo com levantamento realizado pela Folha de S. Paulo, os panetones estão cerca de 20% mais caros neste ano. O aumento está ligado ao custo maior de embalagens e insumos, como farinha e chocolate, cujos valores ficaram acima da inflação acumulada até agosto.

Além de variar na apresentação, os panetones começaram a ser vendidos em setembro. A antecipação se deve, em parte, à Copa Mundo, que começa dia 20 de novembro. Nesse caso, uma tentativa de capitalizar para o Natal a maior propensão dos torcedores de investirem suas economias nos preparativos para o mundial.

Tendência x Panetones

No entanto, a estratégia de comercialização cada vez mais cedo já começou a ser adotada no ano passado. Um estudo publicado pela consultoria Kantar mostrou que as vendas de panetones, em 2021, tiveram início em outubro.

Com menor poder de compra, os consumidores tendem a diminuir as idas ao mercado. No comparativo entre novembro de 2020 a janeiro de 2021 com novembro de 2021 a janeiro de 2022, por exemplo, o gasto com panetone por ida ao PDV caiu 13,9% e a frequência de compra teve redução de 5%. O investimento por cliente também reduziu em 18,5%. Mesmo assim, as vendas alcançaram R$ 806 milhões devido às novas estratégias.

Expectativa

Conforme a Associação Brasileira da Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias, Pães e Bolos Industrializados (Abimapi), estima-se que o faturamento aumente em 5% neste ano. No volume de vendas de panetones, o crescimento esperado é de 3% até janeiro de 2023.

Para garantir bons negócios, portanto, recomenda-se que os lojistas fortaleçam suas campanhas e promoções, garantindo maior sortimento nas gôndolas e mix de tamanhos variados.

Gostou do conteúdo? Assine também a nossa newsletter para receber conteúdos como este gratuitamente e em primeira mão!

Leia também:

Varejo em novembro: mês decisivo para o comércio
Copa do Mundo pode injetar mais de R$ 20 bilhões na economia

Conteúdo Relacionado

vendas nas festas de fim de ano
Varejo Alimentar

Pesquisa aponta otimismo para as vendas nas festas de fim de ano

18.outubro

A SA Varejo publicou, na semana passada, uma pesquisa feita com varejistas de todo o país sobre as expectativas com as vendas nas festas de fim de ano. Para 78,5% dos participantes, o faturamento no período será maior em comparação com 2020. No ano passado, esse percentual era de 59,8%. De acordo com o levantamento, […]

natal
Varejo Alimentar

Natal: apesar de ano atípico, consumidores já planejam as compras

12.novembro

As festividades de final de ano, como Natal e Ano Novo, se aproximam e você, lojista, deve estar pensando: “infelizmente tem uma pandemia no meio da minha expectativa de venda”, certo? Mas não se desanime. As estimativas de mercado apontam uma grande tendência de as pessoas irem às compras. E com isso fomentar ainda mais […]

indulgentes
Varejo Alimentar

Mercado de indulgentes cresce no varejo com versões mais saudáveis e reduzidas

22.novembro

O mercado de indulgentes está em alta. De acordo com pesquisa realizada neste ano pela multinacional de alimentos Archer Daniels Midland Company (ADM), 56% dos consumidores latino-americanos acreditam que apreciar guloseimas faz parte de uma dieta saudável. O estudo também mostra que, se esse produto trouxer algum benefício para a saúde, seu poder de atração […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *