Tá na boca do povo, tá na mesa do brasileiro. Os alimentos saudáveis atingem uma fatia considerável dos lares e vêm literalmente caindo no gosto do consumidor. Recente estudo do segmento mostrou que as vendas da categoria chegaram a R$ 100 bilhões no ano passado.

O levantamento foi feito pela Euromonitor Internacional, apontando que o montante é o maior desde o ano de 2006. No comparativo com 2019, o crescimento nas vendas foi de 3,5%.

Esse consumo foi impulsionado pelos novos hábitos estimulados pela pandemia e inclui os produtos alimentícios sem glúten, orgânicos e com baixo teor de sódio.

A alta também foi detectada pela empresa especializada em nutrição e alimentação RG Nutri. A consultoria identificou que 78% dos consumidores entrevistados em sua pesquisa ficaram mais atentos à alimentação e à saúde. Outros 53% ainda buscavam informações sobre a função desses alimentos.

Por que a categoria importa para a sua loja?

Com as pessoas ficando mais em casa, para trabalhar e socializar apenas com aqueles que moram no mesmo imóvel, sobrou mais tempo para preparar melhor as refeições. Daí surgiu a preocupação em mudar a rotina alimentar pensando no fortalecimento da imunidade, bem como na prevenção a enfermidades.

Atrelada a essas questões, também surge outra preocupação: a de saber a origem desses produtos adquiridos e quem está fabricando. No caso dos orgânicos, devidamente certificados, o consumo é uma forma de o shopper retribuir o esforço do trabalho mais manual, com incentivo à agricultura familiar e às empresas de menor porte que mais sofrem com a crise.

Por outro lado, há a nítida responsabilidade com a saúde e a dos seus entes queridos. Por isso, muita gente tem ido mais até as gôndolas procurando produtos com menos componentes químicos e o mínimo de agrotóxicos possível. Os produtos à base de plantas também passam a ganhar maior espaço no carrinho de compras.

Uma sondagem feita pela Consultoria Opinaia mostrou que o interesse no consumo de alimentos derivados de plantas é de quase 90% entre os consumidores da América do Sul. Além disso, 52% dos consumidores disseram já comprar tais produtos em preocupação à saúde.

A Associação de Promoção dos Orgânicos também identificou expressivo aumento no setor. O consumo foi 30% maior em 2020, com mais de R$ 5,8 bilhões comercializados no varejo. Aqui mesmo no Portal Vitrine do Varejo falamos sobre isso. Clique aqui.

E se os números indicam bom desempenho do mercado, é porque o varejo está atento e atendendo a forte demanda de alimentos saudáveis.

Se programe para vender mais

Aproveite o momento propício para a categoria e faça uma nova programação de vendas. Entenda o que o seu consumidor está procurando e quais as categorias de alimentos saudáveis que se aproximam mais das necessidades dele.

Depois disso, não deixe faltar produtos e esteja sempre atento aos prazos de validade. O sortimento vai fazer muita diferença. Se possível, tente ter mais de um rótulo de determinado produto para dar opção de escolha ao consumidor e deixá-lo mais satisfeito com a aquisição.

Gostou do que leu? Aproveite para assinar a nossa newsletter e receber notícias em primeira mão.

Leia também:

Perdas no varejo: como afastar sua loja desses problemas
Consumidor em busca de negócios locais e varejistas engajados socialmente

Conteúdo Relacionado

produtos-organicos
Varejo Alimentar

Produtos orgânicos seguem em alta, aponta pesquisa da Organis

13.agosto

Um levantamento feito pela Associação de Promoção dos Orgânicos (Organis) aponta que os produtos orgânicos seguem crescendo em 2021. De acordo com o material, 69% dos que atuam no ramo declararam crescimento. Já 11% apontaram estabilização e 20% alegaram queda. A pesquisa ouviu produtores rurais, indústria, distribuidores, feirantes, varejistas de todo o Brasil. Conforme a […]

carne-vermelha
Varejo Alimentar

Preços disparam e carne vermelha cede espaço para o ovo

25.maio

A carne vermelha é um dos alimentos mais consumidos no Brasil, mas um dado tem preocupado o mercado. Com a alta nos preços do quilo, o produto apresentou a menor queda percentual de vendas em 25 anos. Bom para outros alimentos proteicos como o ovo, que teve aumento no consumo como substituição na mesa do […]

secao-de-limpeza
Varejo Alimentar

Pandemia impulsiona seção de limpeza

19.maio

Enquanto a pandemia de Covid-19 afetou em cheio alguns setores econômicos, principalmente por causa do isolamento social, as vendas de produtos de consumo de massa (em inglês Fast Moving Consumer Goods – FMCG) tiveram aumento muito acima do esperado. Nesse contexto, destaque para a seção de limpeza. O FMCG é considerado produtos de consumo em […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *