O período de pandemia da Covid-19 levou a população mundial a repensar os hábitos de vida e de consumo. O varejo alimentar foi um dos mais impactados. Ao mesmo tempo que passou a apresentar crescimento nas vendas, em virtude dos itens essenciais para a sobrevivência humana, também ganhou novas preferências do shopper e nessa lista estão os itens de marcas próprias.

Um exemplo claro dessa mudança de comportamento pode ser comprovado pela pesquisa Consumer Insights, da consultoria Kantar. Ela revelou aumento na procura por itens de marcas locais e próprias.

Conforme o estudo, entre os meses de abril e junho, esses itens passaram a representar 66% dos valores no mercado. A aquisição de marcas próprias e locais foi impulsionada principalmente nos lares das classes C – donas de casa de 30 a 39 anos.

Também houve expressiva importância nas classes D e E e de lares mais jovens. Destaque para as regiões sudeste, especialmente Rio de Janeiro, Norte e Nordeste.

Ainda segundo o levantamento, num cenário mais geral, as marcas próprias conquistaram mais de 2,2 milhões de novos compradores no primeiro semestre de 2020. Só no mês de junho o setor saltou de 29% de penetração para 33% no mesmo período do ano passado, com 22% de variação em unidades comercializadas.

Ascensão

As marcas locais e próprias têm maior infiltração principalmente nas categorias de alimentos, lácteos/substitutos e limpeza, com preço médio 7% menor do que às marcas globais. Elas estão presentes em um a cada três domicílio brasileiros.

A Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização (Abmapro) defende o bom momento para o setor. A projeção é que, até o final de 2020, o setor deverá chegar a R$ 8 bilhões em faturamento. Por consequência, um aumento superior a 9,5% na comparação com o ano passado.

  • Vamos ler sobre análise de sortimento? Clique aqui

Vantagens marcas próprias

Os produtos das chamadas Marcas Próprias (MPs) podem ser até 25% mais baratos do que os de marcas tradicionais. As MPs são quaisquer serviço ou produto que podem ser fabricados, beneficiados, processados ou embalados por uma empresa que detém o controle sobre a distribuição daquela determinada marca.

O menor valor agregado tem relação com o custo comercial e investimento com publicidade reduzidos, uma vez que as MPs são confeccionadas e vendidas entre o fornecedor e o detentor da marca.

Por apresentar, em muitas vezes, um melhor custo-benefício, as marcas próprias estão cada vez mais ganhando espaço. Durante a pandemia não seria diferente, diante de um comportamento de compra mais cauteloso com os gastos. Segundo a Abmapro, os produtos de marcas próprias já estão presentes em cerca de 60% das residências brasileiras.

Veja também:

PIX: uma nova perspectiva de pagamento no varejo
Novo Varejo como modelo mundial de varejo a ser seguido

Conteúdo Relacionado

WhatsApp Image 2020-09-08 at 19.37.11
Varejo Alimentar

Preço psicológico como estratégia de vendas

08.setembro

Vender e atingir lucro são objetivos de todo e qualquer varejo. Mas para alcançá-los, o negócio precisa se aliar a algumas estratégias importantes, principalmente de marketing, para atrair os consumidores. Uma delas, bastante usual, é o chamado preço psicológico. É por ele que o shopper consegue associar o preço do produto com as características do […]

compras online
Varejo Alimentar

Em tempos incertos, o varejo sempre se reinventa

24.março

O momento é crítico para todos os setores econômicos do Brasil e para o varejo não é diferente. Em virtude da pandemia do novo coronavírus, muitos estados já começaram a implementar medidas restritivas a fim de evitar a propagação do contágio. Mas antes que o desespero tome conta, muita calma nessa hora, até porque brasileiro […]

loja aberta
Varejo Alimentar

Domingos e feriados: por que não abrir a loja?

05.março

Ponto facultativo ou não, muitos lojistas às vezes ficam em dúvida sobre a abertura da loja aos finais de semana, especialmente aos domingos, e também durante os feriados. A ideia que se tem é poderá ser um dia perdido com o ponto de venda às moscas, não é mesmo? Mas uma pesquisa feita pela Confederação […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *