A China é uma das maiores potências mundiais não à toa. Pioneira em diversos mercados, no varejo se destaca pela inovação e se consolida como o mais dinâmico de todo o mundo. Dona do maior segmento de e-commerce entre as nações, os chineses servem de modelo para negócios inovadores e inspiram as tendências de varejo para os demais países graças ao chamado “New Retail”, ou simplesmente Novo Varejo.

Realizado recentemente pela BTR-Varese, o seminário digital “China pós Covid-19: o papel da Inovação e Ecossistemas” mostrou as formas pelas quais a China vem influenciando a economia mundial por meio da digitalização e da tecnologia, que passam a exercer função determinante nessa transformação do varejo.

As mudanças se fazem necessárias especialmente em razão do “boom” de smarphones, que passou a conectar ainda mais as pessoas e mudar o comportamento dos consumidores, uma vez que se compreendeu a praticidade trazida por essa mobilidade virtual.

De acordo com o sócio da BTR-Varese, Eduardo Terra, ao abrir o evento online, 80% dos brasileiros contam com acesso à internet em casa e 220 milhões de smartphones. Esse acesso rápido às informações via mobile fez com que o cliente passasse a ter uma relação maior com os produtos e as marcas que ele tem a intenção de consumir.

Ultrapassando as fronteiras

Outro fator que leva o modelo chinês a se destacar dentre tantos outros varejos é quanto ao e-commerce transnacional ou “cross border”. Ou seja, o comércio online transpassa as barreiras territoriais do país e atende consumidores do mundo inteiro.

Uma pesquisa feita pela Fierce Retail revelou que 82% do público entrevistado informou que já comprou de sites do exterior. Em 2017, a Pitney Bowes revelou que 70% dos compradores entrevistados de 12 países já compraram em sites internacionais.

Entretanto, o DHL estima que o e-commerce cross border poderá ser ampliando em 25% até o final deste ano. Com vendas, por exemplo, que poderiam superar o montante de US$ 900 bilhões no período.

Mudança de perspectiva

O Novo Varejo também traz um conceito diferenciado de loja. Ele integra o ambiente físico e virtual, sem deixar a desejar na jornada de compra. Mais do um ponto de venda, a loja passa a se tornar um espaço multidinâmico, digitalizado e inovador.

A experiência satisfatória é o objetivo principal tanto para o consumidor, quanto para o varejista. Um exemplo interessante dessa tendência é a rede supermercadista Fresh Hippo, do grupo Alibaba. Inclusive foi o fundador e presidente da empresa, Jack Ma, que apresentou o conceito do new retail em 2016.

A Fresh Hippo é vista como um dos principais cases de sucesso do novo varejo. Os produtos e as plataformas digitais disponíveis pelas lojas da rede são integrados. O intuito é fornecer o máximo de informações ao cliente, antes de ele se sentir convencido a levar o produto.

Por meio da tecnologia de QR Code, o cliente pode escanear o peixe fresco com o próprio telefone e receber instantaneamente os dados de como, onde e quando ele foi pescado. Também é possível acompanhar toda a logística de entrega que o alimento passou até chegar ao supermercado. Além disso, o cliente ainda acessa receitas de preparo com o produto.

O cliente também pode fazer suas compras com a tranquilidade de não carregar nenhuma sacola para a casa. Isso porque o delivery do Fresh Hippo entrega as compras em no máximo meia hora, dentro de um raio de três quilômetros da loja.

Formas de pagamento Novo Varejo

Por fim, é preciso destacar que o Novo Varejo chinês – onde as compras em dinheiro já representam 60% do total – inova nas formas de pagamento para facilitar ainda mais a vida dos consumidores. A maioria das transações são feitas virtualmente.

A varejista Alibaba e a empresa de tecnologia Tencent foram pioneiras nesse quesito nos anos 2009 e 2013, respectivamente. O Alibaba, por meio do Taobao, lançou um aplicativo para celular para fazer pagamentos também no varejo tradicional. Enquanto o WeChat Pay é uma carteira virtual dentro do WeChat.

O Brasil, nos últimos anos, também passou a contar com vários serviços de pagamentos virtuais. Uma grande inovação, que deve ser colocada em prática em breve, é o Pix. O serviço de pagamentos instantâneos tem como objetivo permitir a realização de transferências e pagamentos em até dez segundos. A ferramenta foi anunciada pelo Banco Central do Brasil. E o objetivo é reduzir o custo das operações de pagamentos e transferências financeiras.

Veja também:

Preço psicológico como estratégia de vendas
Pagamento com cartão por aproximação é cada vez mais usual

Conteúdo Relacionado

compras
Varejo Alimentar

Compras e vendas x desafios da gestão comercial do varejo

28.setembro

Entender o processo de compras é fundamental para qualquer tipo de negócio. Por meio de uma gestão de compras eficiente é possível ter um estoque organizado, sem deixar faltar ou até mesmo vencer produtos. Além disso, evitar que sejam feitas compras desnecessárias, com itens de pouca saída ou mesmo de algo que ainda consta no […]

Full length portrait of a cheerful man jumping
Varejo Alimentar

Geração Z: prepare sua loja para vender para esse público

24.dezembro

Muito se fala sobre romper as barreiras do varejo físico e digitalizar a marca, as vendas e os processos internos com o objetivo para prospectar novos consumidores. Os hábitos consumidores se atualizam o tempo todo e os lojistas precisam estar atentos às inovações. Porém, é preciso ter a consciência de que há um público que […]

varejo
Varejo Alimentar

Varejo: como direcionar as estratégias para a reta final do ano

15.dezembro

É normal que você, do varejo, ainda esteja fazendo as contas para saber como as finanças da loja fecharão neste ano atípico de crise causada pela pandemia. Ao mesmo tempo que já começa a ficar aflito desde já pelas incertezas do ano que está por vir. Ter um ponto de partida é a primeira coisa […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *