As inovações em dispositivos móveis não param e ano a ano mostram ao mercado o que há de mais tecnológico no segmento. Neste ano, a grande aposta são os celulares de tela dobrável que já estão atraindo olhares dos consumidores e do varejo de telecom.

Marcas como Samsung, Royole Europe e a chinesa Huawei já confirmaram a fabricação dos modelos que em breve estarão disponíveis no mercado mundial e tantas outras já trabalham para desenvolver modelos utilizando a tecnologia. A novidade foi apresentada durante o evento Mobile World Congress (MWC) 2019, que aconteceu entre 25 e 28 de fevereiro em Barcelona, na Espanha.

Impressões sobre os novos aparelhos

A IDC Latin America esteve no evento e pontuou algumas impressões sobre os novos aparelhos. Entre elas, destaca que o produto vai sofrer algumas barreiras como o preço e risco de quebra da tela do aparelho e que a indústria está apostando na tecnologia, principalmente para atender à demanda de consumo para conteúdos via streaming e jogos com conectividade 4G e 5G.

Segundo as informações divulgadas pela consultoria mundial para o setor de Tecnologias de Informação e Telecomunicações, os celulares de tela dobrável devem se adaptar a uma economia de escala, o que quer dizer que o custo atual está relacionado à recente chegada do mobile ao mercado, ainda que smartphones com telas maiores sempre apresentarão um custo final maior.

“Aliado ao ‘boom’ das telas, recursos biométricos também estão sendo implementados para garantir a segurança do equipamento e para proteger os dados do usuário, que é um problema atual e também será no futuro”, afirmou o analista de dispositivos móveis, Ricardo Mendoza.

Celular está presente em 93,2% dos domicílios brasileiros

Smartphones ganham destaque como dispositivo para compras online

Mercado restrito para uso desses aparelhos?

O representante da IDC esteve no evento e comentou que os smartphones tinham que dar um novo passo rumo à inovação e isso aconteceu com os celulares dobráveis, visto que já existem smartphones com até cinco câmeras traseiras e três câmeras frontais, colocando a captura de imagens e vídeo como elemento decisivo.

Ele considerou que deve haver um mercado consumidor restrito para os dispositivos dobráveis em virtude do preço e as possibilidades limitadas de uso, já que a maior parte da superfície do celular é formada por tela, cujo componente é o mais sensível do equipamento e com mais risco de quebra.

Outras tecnologias

O analista destacou ainda sobre o uso de inteligência artificial nos dispositivos que continua mais focada nas câmeras e na bateria do aparelho, porém começa a ser utilizada com foco no comportamento de uso do usuário como, por exemplo, saber quais aplicativos são mais usados. Isso possibilita prever e ajudar o usuário e será uma tendência que deve ser desenvolvida com mais intensidade até o próximo ano.

A realidade virtual também ganha força no cenário agora também em dispositivos de custo médio. “As funções criativas dos smartphones fazem deles um instrumento diferente e permitem passar do mundo físico para o mundo virtual e vice-versa”, finalizou Mendoza.

RESUMO EM TÓPICOS

• Grande aposta para esse ano são os celulares de tela dobrável;

• Preço e risco de quebra da tela do aparelho são algumas barreiras desse novo produto.

Conteúdo Relacionado

TEI

Acompanhe tendências: rede 5G e TVs enormes de alta definição

28.março

Durante esse trimestre ocorreu a primeira feira de tecnologia mundial do ano, em Las Vegas, onde foram apresentadas as principais tendências tecnológicas para o mercado de eletroeletrônicos de 2019.

TEI

Mercado da Tecnologia da Informação e Comunicação deve crescer 4,9% neste ano

27.março

A IDC Brasil prevê uma alta de 4,9% no mercado de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para 2019. Segundo o estudo apresentado, a venda de dispositivos como smartphones e Pcs vai fomentar 10,5% de crescimento.

TEI

Celular está presente em 93,2% dos domicílios brasileiros

29.janeiro

Há tempos o telefone celular vem galgando o espaço de principal equipamento para comunicação e acesso à internet. A última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua sobre Tecnologia da Comunicação e da Informação (PNAD TIC), divulgada pelo IBGE na semana passada, revelou que em 2017 o aparelho estava presente na maioria das residências brasileiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *