O Brasil é o terceiro país que mais consome cerveja no mundo, conforme estudo da Euromonitor Internacional, divulgado pelo G1. Em 2020 foram consumidos mais de 13,3 bilhões de litros da bebida, a maior quantidade desde 2014, e a projeção é que em 2021 chegue a 13,67 bilhões. Os números também são favoráveis para a cerveja premium.

Ainda de acordo com dados da Euromonitor Internacional, a expectativa é que haja um aumento de 53,9% no faturamento das cervejas premium até 2025, chegando ao valor de R$80,2 bilhões. Isso depois de um crescimento de 85% entre 2015 e 2020, alcançando a marca de R$ 52 bilhões.

A cerveja considerada premium consiste em uma bebida mais lupulada, com maior teor de malte de cevada. Com isso é um pouco mais amarga devido à maior quantidade de lúpulo na sua composição, e essa mistura tem ganhado cada vez mais adeptos.

Mercado de cerveja premium

De olho nesse mercado, grandes fabricantes de cerveja premium têm apostado na categoria para garantir um faturamento ainda maior. A holandesa Heineken, por exemplo, além da sua marca principal trouxe para o Brasil as americanas Blue Moon e Lagutinas.

E mais recentemente a Tiger, de Cingapura, um dos cinco maiores produtos globais da marca. O crescimento na venda de cerveja premium da gigante holandesa nos seis primeiros meses de 2021, em relação ao mesmo período de 2020, chegou a 25%.

Outra gigante que decidiu entrar de vez na criação e lançamento de produtos premium foi a Ambev. A empresa é, atualmente, controlada pelo fundo 3G Capital, do bilionário Jorge Paulo Lemann, dona de mais de 60% do mercado de cervejas no país.

Além das tradicionais cervejas pilsen, como Skol e Brahma, a Ambev tem apostado na distribuição de importadas e consagradas, como a mexicana Corona, as alemãs Becks e Spaten, e a americana Goose Island. A aposta para 2021 é na Michelob Ultra, de baixa caloria.

Em uma jogada de mestre, a Ambev lançou a Brahma Duplo Malte. Esse já é considerado o maior lançamento da empresa, que já produziu mais de 4 milhões de hectolitros da cerveja. O setor de cerveja premium da Ambev teve um crescimento de 35% no segundo semestre deste ano, em relação a 2020.

Cerveja em casa

Na também divulgação do G1, a Kantar aponta que independentemente da faixa social a cerveja está presente em massa nos lares brasileiros. São mais de 2,2 milhões de novos consumidores de cerveja. Esse número mostra o quanto a bebida precisa ser trabalhada no mercado para atender todas as demandas.

A pesquisa também aponta outras preferências dos consumidores, que podem ser trabalhadas no mercado com foco em aumentar as vendas:

  • 47% dos consumidores preferem o consumo de cervejas em garrafa de vidro. Isso porque consideram que o sabor é melhor do que nas demais embalagens;
  • 39% preferem a lata por ser fácil de encontrar nos canais de varejo;
  • 54% dão preferência nas de puro malte;
  • 34% gastam semanalmente entre R$ 26 e R$ 50 com cervejas;
  • 77% disseram que tomam cerveja pelo menos 3 vezes na semana.

Já que estamos falando de cerveja, no FalaMart tem um texto bem completo com dicas para você trabalhar a cerveja na sua loja!

Gostou desse conteúdo? Se inscreva na nossa newsletter e receba conteúdos como este gratuitamente e em primeira mão!

Leia também:

Uso do Whatsapp: nova funcionalidade é anunciada
Alimentos estão na preferência das compras online dos brasileiros

 

 

Conteúdo Relacionado

ruptura
Varejo Alimentar

Varejo reduz produtos e barra ruptura

09.dezembro

O varejo está reduzindo a quantidade de produtos e categorias nas lojas com o intuito de evitar ruptura. Foi o que mostrou uma análise da Nielsen comparando os principais canais do setor neste ano em relação a 2020. De acordo com o estudo, mais de centenas de categorias apresentaram redução na quantidade de itens nas […]

cerveja
Varejo Alimentar

Cerveja: ruptura do produto é a maior da história

27.novembro

A falta de cerveja nas gôndolas é a maior da série histórica. Quase dobrou nos supermercados brasileiros na comparação de 2019 com o cenário atual. De acordo com levantamento feito pela empresa Neogrid, a categoria atingiu em outubro 18,92% de ruptura. No ano passado, o índice médio de falta da bebida alcoólica era algo em […]

compra pelo celular supermercado
Varejo Alimentar

Apps de entrega têm mudado a rotina do varejo

13.março

O que antes era serviço exclusivo do setor de bares e restaurantes, agora está ainda mais próximo do pequeno e grande varejo. Os famosos aplicativos de entregas, como iFood, Uber Eats e Rappi, já estão sendo compartilhados também para entregas de produtos, especialmente do varejo alimentar, adquiridos diretamente das lojas via apps no celular. Além […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *