O isolamento social causado pela pandemia da Covid-19 mudou o dia a dia de muitas famílias. E, consequentemente, as atividades que aconteciam fora de casa, como trabalho, exercícios físicos e alimentação passaram a ser realizadas em casa. Com essa alteração no comportamento do consumidor, o chamado de “novo normal”, houve um aumento no consumo de alimentos e de produtos eletrônicos e eletrodomésticos, por exemplo.

De acordo com o jornal Estado de São Paulo, em um estudo realizado em parceria com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o subgrupo eletrônicos que contempla TV, aparelhos de som e itens de informática foi o que teve maior procura entre maio e outubro do ano passado.

Na sequência, ainda de acordo com a pesquisa, aparecem os eletrodomésticos e equipamentos de casa. Toda essa mudança na rotina causou aumento nos preços dos produtos. Também alavancados pela alta do dólar por conta da pandemia.

Eletrônicos x demanda x inflação

Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), a inflação medida pelo Índice de Preço ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) entre maio e outubro de 2020 foi de 1,35%. No mesmo período, alguns produtos subiram 5,8%, ou seja, alta quatro vezes maior do que a inflação.

A informação do jornal Estado de São Paulo e da CNC analisou justamente quais produtos e serviços pesaram mais para o índice de inflação, cruzando os dados de vendas do varejo apontados pelo IBGE e a variação dos preços apontados pelo IPCA-15.

No caso dos subgrupos eletrônicos – informática, som e televisores -, a alta dos produtos foi de quase 18%. Em seguida seguido pelos eletrodomésticos e equipamentos de casa, que cresceu 8,88%, ambos entre maio e outro de 2020.

Um dos motivos apontados pelo estudo para o aumento dos preços está o crescimento da procura pelos produtos em conjunto com o fato de as empresas não estarem preparadas para atender essas novas demandas, causando as altas.
Com esse crescimento da demanda e a falta dos produtos no mercado, o setor de eletrônicos reajustou em 10%, de agosto a outubro, os valores de vendas dos produtos.

De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos, muito por causa do preço dos insumos nacionais e importados, empurrados pela alta do dólar.

Oportunidades que seguem

Mesmo com a alta dos preços de produtos do segmento eletro, o consumo não para. Por isso, o varejo deve sempre estar conectado e buscar alternativas para manter o ritmo de venda de eletrônicos.

Se o cliente está procurando TV, aparelho de som, itens de informática e eletrodomésticos é preciso manter o seu estoque para atender essa demanda. Lembrando que em primeiro lugar está a experiência do cliente. Que em tempos de pandemia busca por locais que atendam suas necessidades de compras em total segurança. Isso quer dizer que ele quer encontrar com facilidade o que está procurando, em um curto espaço de tempo.

Invista em ações que têm resultados mais eficientes. Trabalhe suas ideias e explore-as nas redes sociais como ferramenta de divulgação e vendas. Esse foi um dos grandes apelos durante o período de isolamento social.

Acima de tudo, saiba reconhecer o seu cliente. Invista em comunicação e prepare seu estabelecimento para esse novo normal. Apostar no seu diferencial é uma boa maneira de driblar a crise e criar engajamento e maior frequência de compra.

Quer receber conteúdos como este gratuitamente e em primeira mão? Assine nossa newsletter.

Leia também:

Com aumento de limite, cartão sem senha ganha consumidores
2021: o que esperar do varejo pós-vacina

Conteúdo Relacionado

mercado-de-tecnologia-2021
Eletro

Mercado de tecnologia deve crescer este ano; 5G está entre as principais tendências

10.fevereiro

As previsões são boas para o mercado de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Isso graças à popularização da tecnologia 5G e a alta procura por produtos inteligentes. De acordo com estimativas da IDC Brasil, o setor deve crescer 7% neste ano. Se considerado apenas o mercado de TI, o avanço será de 11%. Com […]

loja-fisica
Varejo Alimentar

Pesquisa aponta que loja física continua na preferência do consumidor

05.maio

Uma pesquisa divulgada no mês passado aponta que o canal preferido do brasileiro para compras diárias ou semanais continua sendo a loja física. A informação está na edição 2021 da Global Consumer Insights Pulse Survey, da PwC. Apesar de tantas mudanças que aconteceram em decorrência da Covid-19, principalmente em relação ao comportamento de compras, o […]

Map with Destination Point and Route Tracking Vector Illustration
News

Como a geolocalização pode ajudar sua loja no pós-pandemia

27.abril

Aqui mesmo no Portal Vitrine do Varejo foi falado sobre a importância que a geolocalização tem para o varejo a fim de atrair cada vez mais os consumidores para dentro das lojas. Agora é o momento de falar como essa ferramenta vai beneficiar o mercado no período pós-pandemia. O recurso auxilia na localização geográfica dos […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *