Enquanto alguns segmentos do varejo consomem uma boa fatia no e-commerce, as farmácias vão na contramão desse movimento. Um estudo realizado pelo Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa (IFEPEC) mostra que poucas pessoas utilizam esse canal para efetuar as compras de medicamentos e outros itens farmacêuticos.

Os resultados da mais recente Pesquisa de Comportamento do Cliente na Farmácia apontaram uma parcela inexpressiva de shoppers que ainda efetua as compras do segmento na internet. Ao serem questionados se já compraram medicamentos pelo varejo online, 97,98% dos entrevistados responderam que nunca, 1,25% falaram que raramente fazem e apenas 0,78% alegaram frequência nessa modalidade.

 

Amostragem da pesquisa

O estudo do IFEPEC, em parceria com o Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia, do Instituto de Economia da Unicamp, entrevistou cerca de 4 mil clientes no momento em que saíam das farmácias.

A seleção ocorreu de acordo com os agrupamentos do mercado farmacêutico como Abrafarma, Outras Redes Corporativas, Febrafar, Outros Agrupamentos e Farmácias do segmento Independentes. Em todos eles, o número de pessoas que respondeu que não fazem compras virtualmente foi muito grande.

Inseridos no grupo Abrafarma, 97,74% informaram que nunca compraram medicamentos pela internet. Outros 98,03% representaram essa parcela no agrupamento Febrafar. Os demais também ficaram entre o percentual de 97,46% a 98,40%.

 

Fique que olho nos fatos:

Isso mostra que, ainda que especialistas do mercado sinalizam o e-commerce como um caminho para o futuro do varejo farmacêutico, as vendas de medicamentos online ainda estão longe de ser uma realidade.

“Esse é um dado muito importante, pois mostra mais uma vez a distância existente em debates que observamos em relação a realidade do mercado”, comentou o presidente do Febrafar, Edison Tamascia.

 

Segundo ele, o shopper ainda é muito fiel às farmácias pelo fato de existir farmácias próximas e também por ser um produto que demanda certo imediatismo. Por esses e outros motivos, a venda de medicamentos online não se mostra viável a médio e curto prazo.

 

Sugestão de Leitura:

O segmento Farma é o preferido dos consumidores para gastarem

Medida farmacêutica : Farmácias só podem fazer ações “comprou, ganhou” com essa medida federal

Conteúdo Relacionado

Closeup of calendar page
Varejo Alimentar

Baixe de graça o calendário sazonal e se prepare para as datas mais importantes do ano

19.fevereiro

Estimular as vendas em plena pandemia com impactos claros à economia não parece ser uma tarefa fácil para o varejo. Mas algumas alternativas podem ser aproveitadas para reverter isso. Uma delas é, sem dúvidas, recorrer ao calendário sazonal. A sazonalidade é a oportunidade ideal para incrementar o mix, fazer ações promocionais temáticas e ajudar a […]

skincare-supermercado-e-farmacia
Varejo Alimentar

Produtos de skincare impulsionam vendas em supermercados e farmácias

28.janeiro

Cuidar da pele e do rosto está entre as principais necessidades do consumidor. Não apenas por uma simples questão estética. As pessoas passaram a se preocupar mais com esses cuidados e colocaram o hábito na listinha de “vida saudável”. O varejo, por sua vez, passou a lucrar bastante com esse movimento conhecido por skincare, que […]

farmacias-mercado-2021
Farma

Farmácias de ontem e de hoje, com ou sem pandemia

27.janeiro

Entre os setores do varejo que menos sofreram com a pandemia está o de Farmácias. No país, cerca de 90 mil negócios seguem firmes no mercado, sendo impulsionados por pessoas que estão focadas na saúde e, consequentemente, continuam consumindo. O resultado disso é um aumento no número de lojas abrindo e o faturamento quebrando barreiras. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *