A pandemia da Covid-19 afetou sistematicamente diversos setores da economia mundial. Porém, no Brasil, alguns setores conseguiram resultados positivos mesmo diante de um cenário econômico desfavorável, com cidades em isolamento social, empresas fechadas e comerciantes quebrando a cabeça para manter as portas abertas. É o caso do  comércio varejista.

Depois de recuos indicativos em março e abril, causados principalmente pelo início do isolamento social em alguns municípios, o comércio varejista brasileiro registrou quatro altas consecutivas.

Julho e agosto

Entre os meses de julho e agosto, o setor bateu recorde de volume de vendas, com aumento de 3,4% em negócios, maior patamar histórico da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), iniciada em 2000. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“O varejo em abril teve o pior momento, com o indicador se situando 18,7% abaixo do nível de fevereiro, período pré-pandemia. Esses números foram sendo rebatidos nos meses seguintes, até que em agosto o setor ficou 8,2% acima de fevereiro”, explica o gerente da PMC, Cristiano Santos.

Ainda segundo o instituto, das oito atividades do comércio varejista, cinco tiveram alta. Destaque ficou com mercado de tecidos, vestuário e calçados, que tiveram um crescimento de 30,5%. Outros artigos de uso pessoal e doméstico cresceram 10,4%, enquanto móveis e eletrodomésticos, 4,6%. Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação 1,5% e combustíveis e lubrificantes 1,3%.

O setor varejista também registrou altas de 5,6% na média móvel trimestral, de 6,1% na comparação com agosto de 2019 e de 0,5% em 12 meses. No acumulado do ano, no entanto, teve queda de 0,9%.

Salgo negativo comércio varejista

Por outro lado, três segmentos tiveram saldo negativo no período. Quem mais sofreu perdas foram jornais, revistas e papelarias, com 27,7%. Enquanto hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo recuaram 2,2%. E o segmento de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos, 1,2%.

“Os produtos de supermercados têm uma elasticidade alta, um arroz mais caro é substituído por outro mais barato, mas o consumidor continua comprando. Os supermercados continuam próximos da margem, mesmo em queda, não sentem tanta diferença quanto em outras atividades”, explicou Cristiano Santos.

  • Vamos ler sobre sortimento? Clique aqui

Dados ampliados

Se incluirmos os setores de materiais de construção e veículos/peças, o crescimento foi ainda maior, com 4,6% mais vendas em agosto comparando com julho, com altas nos materiais de construção de 3,6%e nos veículos, motos e peças de 8,8%.

O varejo ampliado também cresceu 7,6% na média móvel trimestral e 3,9% na comparação com agosto do ano passado. Mas teve perdas de 5% no acumulado do ano e de 1,7% no acumulado de 12 meses.

A receita nominal do varejo teve altas de 3,9% na comparação com julho deste ano. De 10,1% na comparação com agosto de 2019, de 2,4% no acumulado do ano. E de 3,4% no acumulado de 12 meses.

Já a receita do varejo ampliado teve altas de 5,2% se comparado com o mês anterior, de 7,7% em relação a agosto do ano passado e de 1% em 12 meses. Mas teve queda de 1,8% no acumulado do ano.

Leia também:

Black Friday: Google apresenta tendências de consumo para a data
Google e suas ferramentas gratuitas que ajudam os pequenos negócios

Conteúdo Relacionado

natal
Varejo Alimentar

Natal: apesar de ano atípico, consumidores já planejam as compras

12.novembro

As festividades de final de ano, como Natal e Ano Novo, se aproximam e você, lojista, deve estar pensando: “infelizmente tem uma pandemia no meio da minha expectativa de venda”, certo? Mas não se desanime. As estimativas de mercado apontam uma grande tendência de as pessoas irem às compras. E com isso fomentar ainda mais […]

Cropped Image Of Woman Pushing Shopping Cart In Store
Varejo Alimentar

Varejos de bairro crescem durante a pandemia

07.julho

As atenções mundiais se voltam para o País com o alerta para os impactos da pandemia causada pela Covid-19. Do outro lado o varejo, um dos setores econômicos mais afetados pela crise, vem se transformando diariamente, incluindo os varejos de bairro, para atender aos novos perfis de consumo. Muitos brasileiros passaram a se conscientizar mais […]

panetone
Varejo Alimentar

Panetone: estimativa é que venda do produto cresça cerca de 10% este ano

17.novembro

As vendas de final de ano começam a ficar aquecidas. E um grande protagonista do período precisa ser destacado: o panetone. A Associação Brasileira da Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimap) estima que as vendas do produto cresçam cerca de 10% em relação ao ano passado, podendo movimentar cerca de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *