Os prejuízos causados por consumidores estelionatários às micro e pequenas empresas são recorrentes no Brasil. Na lista dos golpes aplicados, os cheques falsos ou roubados estão em destaque, além do uso de cartões de crédito clonados.

Isso é o que revelou um levantamento divulgado no último dia 20 pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o SPC Brasil.

Segundo o estudo, o recebimento de cheques falsificados ou roubados em 2018 corresponde a 33% das fraudes e as transações feitas com cartões de créditos clonados 25%. No total, 11% das micro e pequenas empresas brasileiras tiveram prejuízos financeiro em virtude dos golpistas.

Golpes podem comprometer a saúde financeira da empresa

Outras práticas estelionatárias que figuram nessa lista são as compras com documentos pessoais em nome de terceiros (10%), uso de documentos falsificados (10%) e compras realizadas com cartão de débito clonado (8%).

Há ainda aqueles golpes de menor potencial e que não configuraram muitas perdas financeiras como boletos falsos para pagamento (37%), links enviados por e-mail para sequestro de dados pessoais por parte de hackers (33%), roubo de informações pessoais ao preencherem cadastros em sites (6%) e invasão do site da empresa (5%).

O superintendente de produtos e operações do SPC Brasil, Nival Martins, comentou que os transtornos ocasionados por estelionatários podem comprometer a saúde financeira das empresas que caem nesses golpes e, por isso, algumas ações podem ser adotadas para minimizar os eventuais golpes.

Alguns cuidados básicos como checar o CPF do consumidor que está buscando crédito na loja é uma delas. “Prestar atenção na consistência das informações fornecidas é fundamental, pois divergências muito grosseiras podem ser sinal de fraudes”, afirma Martins.

Dicas e orientações para não cair em golpes

Como grande parte dos pequenos negócios não conta com muitos recursos e tecnologias disponíveis para detectar potenciais golpes, é natural que muitos lojistas acabem sendo vítimas desses estelionatários. O SPC Brasil traz algumas orientações para que os empresários consigam reduzir os prejuízos. Confira:

– O empresário pode contar com o auxílio de ferramentas existentes no mercado, como a tradicional consulta ao CPF ou CNJP do cliente para averiguar apontamentos de inadimplência ou consultas mais aprofundas para analisar o histórico do documento,.

– Nas compras a prazo sempre solicitar documentos originais do consumidor (RG, CPF ou Carteira Nacional de Habilitação);

– Analisar com atenção as fotos do documento apresentado pelo cliente, principalmente se há diferença entre a data de emissão do documento e a idade do consumidor na foto;

– Verificar se a assinatura da documentação é similar com a assinatura do contrato ou do cheque utilizado como forma de pagamento;

– Sempre pedir endereço e telefone de contato e realizar a checagem na hora, antes de concluir a venda;

– Realizar algum tipo de consulta para verificar se há restrição no CPF ou CNPJ do cliente, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) disponibiliza uma série de soluções para confirmar endereço e telefones informados anteriormente pelo cliente.

RESUMO EM TÓPICOS

• Na lista dos golpes aplicados, os cheques falsos ou roubados estão em destaque, além do uso de cartões de crédito clonados;

• Recebimento de cheques falsificados ou roubados em 2018 corresponde a 33% das fraudes.

Conteúdo Relacionado

News

5 Dicas para melhorar a gestão de categoria da sua loja

05.março

Fidelize clientes e reduza custos de operação. O gerenciamento de categorias deve constar entre as prioridades da loja para facilitar o processo de compra do cliente e impulsionar os lucros, transmitindo a mensagem de organização.

News

Consumidor não se importa de ter padrão de compras monitorado pelo varejo

27.fevereiro

A pesquisa anual Global Consumer Insights, realizada pela PwC no ano passado, trouxe os novos comportamentos do consumidor diante ao cenário de um varejo cada vez mais digitalizado.

News

4 dicas para planejar sua vitrine e atrair mais clientes

25.fevereiro

Nem sempre a decoração ou um planejamento mais assertivo da vitrine é prioridade para os lojistas.  Acontece que esse pensamento precisa ser mudado já que a vitrine é o cartão de visitas da loja e, em muitas situações, pode ser sinônimo de atração de novos clientes e aumento no faturamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *