O que antes era serviço exclusivo do setor de bares e restaurantes, agora está ainda mais próximo do pequeno e grande varejo. Os famosos aplicativos de entregas, como iFood, Uber Eats e Rappi, já estão sendo compartilhados também para entregas de produtos, especialmente do varejo alimentar, adquiridos diretamente das lojas via apps no celular.

Além do comércio de rua, grandes redes como Carrefour e Pão de Açúcar passaram a se inserir nesse mercado de vez. A pioneira iFood informou à imprensa neste ano que já registra crescimento nas vendas superior a 100% mensalmente desde que passou a atender a rede supermercadista. Segundo os dados divulgados, a empresa tem credenciamento com 400 supermercados em cerca de 80 cidades brasileiras. A expectativa é ultrapassar as 200 cidades ainda neste ano.

Mais agilidade, por favor

Em tempos modernos de consumo, as pessoas não têm muito tempo de ir às compras e a necessidade é ter tudo pra ontem. Por isso, tem sido cada vez mais frequente a compra, ainda que em pequenas quantidades, de itens como alimentos, higiene e limpeza via aplicativos nos smartphones.

Além disso, diversas pesquisas mostram anualmente que a agilidade na entrega é um dos principais requisitos esperados da loja por parte do consumidor. Contar com o auxílio de aplicativos de entrega pode até ser uma forma ainda mais prática, ágil e menos onerosa para atender as demandas dos clientes no tempo esperado.

Leia também:

A cada 10 brasileiros, 4 compram pela internet
Sua loja está visível no Google Meu Negócio?

De olho no mercado

O presidente da Sociedade Brasileira de Varejo (SBVC), Eduardo Terra, já se manifestou sobre o assunto opinando que o uso de aplicativos principalmente no varejo alimentar é um caminho sem volta, já que os dispositivos mobiles mudaram a rotina de compra e as empresas buscam cada vez mais sair à frente da concorrência, aderindo às novas tecnologias.

Ainda segundo a entidade, a venda em supermercados por meio de aplicativos de entrega cresce rápido e já chega a representar entre 5% e 10% da receita de algumas lojas brasileiras.

Compras na palma da mão com os apps

Os apps delivery são uma novidade que se fortalece no mundo inteiro, mas as compras via aplicativos no celular já é algo consolidado no varejo e muitas empresas aproveitam para criar as próprias ferramentas e fidelizar o cliente.
Ainda em 2018, a SBVC divulgou uma pesquisa que comprovou o quanto o mercado já estava disposto a se inserir de vez nesse segmento até para facilitar a venda e pagamento para os clientes. O estudo revelou que 62% dos varejistas pretendiam oferecer aos clientes a modalidade de pagamento via aplicativo.

Os lojistas não vão perder espaço no ponto de venda se investirem em aplicativos móveis. Eles vão fortalecer a marca e conquistar novos públicos para o negócio. Pelos apps é possível, por exemplo, criar opções em aplicativos como ferramenta para encontrar onde está a loja mais próxima e facilitar o acesso a promoções exclusivas.

Conteúdo Relacionado

Fundo de telefones móveis
TEI

Smartphones seguem em alta em 2020

18.março

O varejo de smartphones no Brasil tem bastante para comemorar. O setor apresentou alta nas vendas no ano passado e, ao que tudo indica, vai fechar 2020 em crescimento novamente mesmo diante das incertezas da economia. Pelo menos é o que aponta o estudo da IDC Brasil divulgado nesta semana. O levantamento IDC Brazil Mobile […]

Marketplace martins capa
News

Marketplace Martins é solução para o varejo nesta crise

27.março

Marketplace, já ouviu falar sobre isso? Calma, antes de entrarmos de fato neste tema, vamos refletir. Quem diria que um dia poderíamos comprar tudo em um único local, sem sair de casa e com poucos cliques? Quem diria que em uma espécie de shopping virtual pudéssemos ter acesso a milhares de marcas do nosso interesse […]

compras online
Varejo Alimentar

Em tempos incertos, o varejo sempre se reinventa

24.março

O momento é crítico para todos os setores econômicos do Brasil e para o varejo não é diferente. Em virtude da pandemia do novo coronavírus, muitos estados já começaram a implementar medidas restritivas a fim de evitar a propagação do contágio. Mas antes que o desespero tome conta, muita calma nessa hora, até porque brasileiro […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *